Autoconhecimento: Qual é o seu Diagnóstico?

Com a publicação da semana passada, recebemos e-mails de pessoas curiosas sobre as graduações de autonomia Self-Aware, Full Self-Aware e Senior Self-Aware que utilizamos aqui na Moksha Potencial.

Nada de sobrenatural.

Essa classificação é apenas uma ferramenta que utilizamos para que o cliente que chega inseguro quanto ao seu autoconhecimento se situe em sua caminhada em direção à almejada autonomia. Ele investe tempo, esforço, energia em se reconhecer um indivíduo autônomo, ativo, participante, seguro, consciente de seus riscos, de suas escolhas e senhor de seu sucesso; então, nada melhor do que se sentir orientado por milestones em sua caminhada.

Nós enumeramos 10 perguntas no post anterior (dentre muitas possíveis) que fortalecem o autoconhecimento. Podemos relembrá-las:

  1. Como o mundo funciona e como viver melhor nele?
  2. O que eu tenho de melhor?
  3. O que me faz feliz?
  4. Estou maximizando meus talentos e trabalhando meus pontos fracos?
  5. Qual a minha essência e onde me sinto melhor?
  6. Estou no caminho certo?
  7. Tenho clareza das lacunas em relação ao meu trabalho?
  8. Aonde quero chegar?
  9. Tenho um plano de desenvolvimento estruturado?
  10. Qual a minha visão de futuro?

Citamos, também, que um bom processo de coaching é capaz de dar as ferramentas necessárias para atingir o autoconhecimento. Dentre elas, comentamos sobre as graduações Self-Aware, Full Self-Aware e Senior Self-Aware. Elas não são um segredo, são um meio que utilizamos para facilitar o crescimento do coachee no processo de fortalecimento de seu posicionamento diante de seu objetivo. Observe:

ExclamaçãoSelf-Aware

É o grau daquele que atingiu o nível mínimo de autoconhecimento. O indivíduo Self-Aware:

  • É capaz de entender suas principais características;
  • Entende o que o motiva, o que não quer, o que quer, qual caminho pode/deve seguir, onde deve investir;
  • Detém certo grau de independência para tomar decisões;
  • Mas ainda é um orientando.

 

ExclamaçãoExclamaçãoFull Self-Aware

É um passo à frente na estrada do autoconhecimento. O indivíduo Full Self-Aware:

  • É capaz de, além das compreensões do Self-Aware elaborar um planejamento de curto médio e longo prazos;
  • Dominar suas crenças e valores a partir do estudo de estratégico de sua essência;
  • Deter um bom grau de independência para tomar decisões claras sobre o que é melhor para si.
  • Na maior parte das vezes, é um orientando, mas também é capaz de ser um orientador.

 

ExclamaçãoExclamaçãoExclamaçãoSenior Self-Aware

É o grau de quem, pode-se assim dizer, detém autonomia sobre si mesmo. O Senior Self-Aware é o indivíduo que:

  • Não tem dúvidas sobre o que ameaça a sua ética;
  • É capaz de decidir com a clareza necessária o que é melhor para si, sem que impacte de forma agressiva aos seus semelhantes;
  • É um orientador, embora tenha a consciência de que há momentos em que é necessário ser um orientando.

E você, qual é o seu grau de autonomia? Se ainda não parou para pensar, leia as perguntas acima e responda com sinceridade. Anote suas respostas. Depois observe as graduações e dê seu diagnóstico.

Se preferir, CLIQUE AQUI E SE INSCREVA PARA UMA SESSÃO DE COACHING GRATUITA. O que está esperando?

smile

Anúncios

Self-Aware: Quando o Autoconhecimento é Fundamental para o Sucesso

Você se autoconhecendo. Moksha Potencial.
“Um bom processo de coaching é capaz de dar a você as ferramentas necessárias para atingir o autoconhecimento.”

Quem não parou, ao menos uma única vez, para pensar sobre o que é sucesso e analisar sua própria caminhada para entender, “de zero a dez”, onde se está e onde poderia estar nessa trajetória? Entender o que é sucesso, um conceito subjetivo, é entender de alguma forma onde se quer chegar para se sentir pleno em algum empreendimento pessoal, profissional, coletivo, e por aí vai.

De acordo com o fundador e presidente da Etalent, Jorge Matos, “quando se trata de carreira, deixar de investir em autoconhecimento é arriscar 20% das chances de sucesso”. O ponto fundamental é que, conhecendo suas características e comportamentos, se a pessoa estiver determinada a investir na busca por uma atividade alinhada ao que tem prazer e habilidades, a possibilidade de ser feliz e trabalhar com mais prazer é muito maior. Como sempre defendo, o primeiro passo é o Autoconhecimento.

Em entrevista à Camila Pati, da EXAME.com, Jorge Matos sugere 10 perguntas importantes para o fortalecimento do autoconhecimento:

  • Como o mundo funciona e como viver melhor nele?
  • O que eu tenho de melhor?
  • O que me faz feliz?
  • Estou maximizando meus talentos e trabalhando meus pontos fracos?
  • Qual a minha essência e onde me sinto melhor?
  • Estou no caminho certo?
  • Tenho clareza das lacunas em relação ao meu trabalho?
  • Aonde quero chegar?
  • Tenho um plano de desenvolvimento estruturado?
  • Qual a minha visão de futuro?

Essas dez perguntas certamente são capazes de montar um cenário eficiente de pesquisa e avaliação, para um resultado realmente eficaz. Mas nem todo mundo tem a facilidade e disciplina necessária para fazer essa análise (ou, mesmo, paciência, não é?). É aí que entra o Coach. Um bom processo de coaching é capaz de dar a você as ferramentas necessárias para atingir o autoconhecimento. Aqui na Moksha Potencial nós trabalhamos com 3 níveis fundamentais de autoconhecimento: Self-Aware, Full Self-Aware e Senior Self-Aware. Mas esse é um assunto para um próximo post.

Não deixe de ler à matéria fonte. Mas quando precisar, pode entrar em contato com a gente: https://mokshapotencial.wordpress.com/contatos/

Um abraço!

(FONTE: Artigo. 10 perguntas essenciais para fortalecer o autoconhecimento. EXAME.com. http://exame.abril.com.br/carreira/noticias/10-perguntas-essenciais-para-fortalecer-o-autoconhecimento)

Nós e os barcos

IMG_20150213_081817594-2Amigos,

Num dia desses ao me dirigir a um de meus clientes, que fica localizado perto de um atracadouro de barcos na zona sul, resolvi parar e observar os barcos por alguns minutos, fazendo um pouco de higiene mental, tranquilizando meus pensamentos naquela hora.

Observando por alguns instantes, pude ver vários tipos de embarcações. Uns bem velozes, outros mais devagar, mas seguindo sempre e até um barquinho afundado. E naquele momento, como se meus pensamentos estivessem também navegando, fiz uma breve analogia entre nós pessoas e os barcos que estavam ali.

Percebi que há pessoas muito rápidas e focadas como lanchas de competição. Lembrei de pessoas que nas indecisões da vida, são como os barcos a vela que são levados pelo simples sabor do vento, sem saber exatamente qual será o seu destino.

E ao concluir minha boba comparação, vi um barquinho afundado, que me lembrou de pessoas que deixam seus sonhos, metas e objetivos afundarem na indecisão, na inércia, na depressão, e na morte, quando o barco se atira contra as pedras e vem a afundar!

Então convido você a avaliar que tipo de embarcação você tem sido!

Perguntaria se está cuidando bem do seu motor, tratando da sua saúde física, mental e espiritual (sem cunho religioso). Se está mantendo o casco pintado e com boa manutenção, que seria tratar bem da sua imagem pessoal, evitando exageros, como vemos em iates que são a representação da pura ostentação. Mas que sejamos como aqueles barcos simples e bem tratados que gostamos de ver. Além disso saber de algo muito importante, que tipo de combustível você coloca na sua embarcação? O que você hoje traz para seu corpo, e o que alimenta a sua motivação de seguir pelo “mar de oportunidades”?

E para fechar um último e não menos importante, a bússola!

Você sabe para onde quer ir? O que você quer? Já viu se está funcionando corretamente avaliando se pode chegar lá e se o seu barco tem potencia e capacidade de chegar ao seu objetivo/ destino?

E para encerrar, gostaria de deixar uma sugestão de leitura, o livro a estratégia do oceano azul, onde o autor demonstra que você pode comparar o oceano a um mar de oportunidades a ser explorado.

Fico por aqui marinheiro e marinheira,

Nos encontramos pelos piers da vida.

Grande abraço,

Alexsander Sena

Controle remoto

Controle Remoto Num dia desses parei para observar como as pessoas vivem hoje em um processo de automatismo em suas vidas. É como se grande parte dos seres humanos fossem aparelhos eletrônicos em que, num apertar de botões, se ligam ou se desligam das coisas, sem que os sentimentos tenham sequer a oportunidade de se expressar. Assim vemos a nova geração de jovens hiperconectados, se comunicando através de dedos e telas ao invés de olhares e palavras ditas através da boca. Percebo a perda real da habilidade de interagir nos jovens, principalmente quando falamos de relacionamentos. Chegará uma hora em que não haverá mais beijos, abraços ou quaisquer tipos de toques, pois eles estarão tão envolvidos em usar a tecnologia para trabalhar, se divertir e se relacionar, que desaprenderão naturalmente tudo o que adquirimos instintivamente e melhoramos até alguns anos.
Assim, depois de falar dos jovens – pois não sei qual sua idade – pergunto: e o que você tem feito pelas suas relações? Você também é mais um que foi engolido pela rotina ou se permitiu justificar a falta de tempo? Vejo famílias se “desmanchando” como um castelo de areia, que com o primeiro bater de uma onda destrói tudo, pelo simples fato dos relacionamentos de hoje não serem construídos no respeito, cumplicidade, carinho, amor, paciência, humildade e muitos outros sentimentos existentes.
Mas você deve estar lendo e se perguntando: mas o que isso tem a ver com desenvolvimento humano? O que isso tem a ver com Coaching? Simplesmente tudo! Pelo simples fato de que nosso desenvolvimento depende e muito de nossos relacionamentos interpessoais e intrapessoais para que alcancemos o tão sonhado equilíbrio em nossas vidas!
Carros, apartamentos, viagens, roupas de grifes, perfumes, e muitas outras coisas que buscamos adquirir, servem para tentar tampar um vazio que objetos inanimados não têm a capacidade de preencher! Mas o carinho, a amizade, o amor, a fé! Ah! Isso sim nos preenche, nos recarrega, nos transborda o ser!
Por isso meu amigo, minha amiga, avalie sua vida e como você está conduzindo seu tempo, para que amanhã o arrependimento não bata em sua porta e crie em você o sentimento de tristeza e vazio! Viva, viva cada minuto, mas de pequenos sentimentos, utilizando o que você tem de melhor para se sentir mais vivo! Sorria para as pessoas, mesmo que elas não reciproquem. Seja gentil e sinta a energia emanada de uma pessoa agradecida. Ajude uma pessoa idosa ou uma criança, ambos frágeis, e sinta a verdadeira emoção que palavras aqui não alcançam. Jogue conversa fora com seus amigos, pois gratuitamente seu estresse diminuirá como num passe de mágica, sem precisar de nenhuma tarja preta para lhe equilibrar e dar sossego. Viva, mas viva sem culpa, pois a culpa é o arrependimento de algo que julgamos ter feito de ruim ou de não ter feito de bom. Saiba ser grato a aqueles que lhe estenderam as mãos no momento que você mais precisou, e que nada pediram em troca, a não ser que você ficasse bem e se recuperasse! Não esqueça de honrar seu pai e sua mãe pois eles, assim como seus filhos são o que você tem de mais sagrado em sua vida, pois foram eles que lhe deram a oportunidade de estar aqui lendo estas palavras!
Enfim, onde está o segredo da felicidade? Está na palavra equilibrar! Equilibrar e administrar o seu tempo para aqueles que lhe são caros e que não querem seu dinheiro, seu carro novo ou sua casa luxuosa, mas sim o bem mais precioso que recebemos, chamado TEMPO! E assim, administrando suas finanças, sua família, sua saúde, suas amizades, seu amor com sua companheira ou companheiro, administrando sua espiritualidade, suas emoções, você será uma das pessoas mais ricas e felizes existentes nesta terra.
E para encerrar deixo aqui um pensamento: nossa vida é passageira por aqui! Para onde iremos? Não sabemos, mas façamos nossa parte para deixar um legado de paz, equilíbrio, alegria e amor!
Alexsander Sena