Controle remoto

Controle Remoto Num dia desses parei para observar como as pessoas vivem hoje em um processo de automatismo em suas vidas. É como se grande parte dos seres humanos fossem aparelhos eletrônicos em que, num apertar de botões, se ligam ou se desligam das coisas, sem que os sentimentos tenham sequer a oportunidade de se expressar. Assim vemos a nova geração de jovens hiperconectados, se comunicando através de dedos e telas ao invés de olhares e palavras ditas através da boca. Percebo a perda real da habilidade de interagir nos jovens, principalmente quando falamos de relacionamentos. Chegará uma hora em que não haverá mais beijos, abraços ou quaisquer tipos de toques, pois eles estarão tão envolvidos em usar a tecnologia para trabalhar, se divertir e se relacionar, que desaprenderão naturalmente tudo o que adquirimos instintivamente e melhoramos até alguns anos.
Assim, depois de falar dos jovens – pois não sei qual sua idade – pergunto: e o que você tem feito pelas suas relações? Você também é mais um que foi engolido pela rotina ou se permitiu justificar a falta de tempo? Vejo famílias se “desmanchando” como um castelo de areia, que com o primeiro bater de uma onda destrói tudo, pelo simples fato dos relacionamentos de hoje não serem construídos no respeito, cumplicidade, carinho, amor, paciência, humildade e muitos outros sentimentos existentes.
Mas você deve estar lendo e se perguntando: mas o que isso tem a ver com desenvolvimento humano? O que isso tem a ver com Coaching? Simplesmente tudo! Pelo simples fato de que nosso desenvolvimento depende e muito de nossos relacionamentos interpessoais e intrapessoais para que alcancemos o tão sonhado equilíbrio em nossas vidas!
Carros, apartamentos, viagens, roupas de grifes, perfumes, e muitas outras coisas que buscamos adquirir, servem para tentar tampar um vazio que objetos inanimados não têm a capacidade de preencher! Mas o carinho, a amizade, o amor, a fé! Ah! Isso sim nos preenche, nos recarrega, nos transborda o ser!
Por isso meu amigo, minha amiga, avalie sua vida e como você está conduzindo seu tempo, para que amanhã o arrependimento não bata em sua porta e crie em você o sentimento de tristeza e vazio! Viva, viva cada minuto, mas de pequenos sentimentos, utilizando o que você tem de melhor para se sentir mais vivo! Sorria para as pessoas, mesmo que elas não reciproquem. Seja gentil e sinta a energia emanada de uma pessoa agradecida. Ajude uma pessoa idosa ou uma criança, ambos frágeis, e sinta a verdadeira emoção que palavras aqui não alcançam. Jogue conversa fora com seus amigos, pois gratuitamente seu estresse diminuirá como num passe de mágica, sem precisar de nenhuma tarja preta para lhe equilibrar e dar sossego. Viva, mas viva sem culpa, pois a culpa é o arrependimento de algo que julgamos ter feito de ruim ou de não ter feito de bom. Saiba ser grato a aqueles que lhe estenderam as mãos no momento que você mais precisou, e que nada pediram em troca, a não ser que você ficasse bem e se recuperasse! Não esqueça de honrar seu pai e sua mãe pois eles, assim como seus filhos são o que você tem de mais sagrado em sua vida, pois foram eles que lhe deram a oportunidade de estar aqui lendo estas palavras!
Enfim, onde está o segredo da felicidade? Está na palavra equilibrar! Equilibrar e administrar o seu tempo para aqueles que lhe são caros e que não querem seu dinheiro, seu carro novo ou sua casa luxuosa, mas sim o bem mais precioso que recebemos, chamado TEMPO! E assim, administrando suas finanças, sua família, sua saúde, suas amizades, seu amor com sua companheira ou companheiro, administrando sua espiritualidade, suas emoções, você será uma das pessoas mais ricas e felizes existentes nesta terra.
E para encerrar deixo aqui um pensamento: nossa vida é passageira por aqui! Para onde iremos? Não sabemos, mas façamos nossa parte para deixar um legado de paz, equilíbrio, alegria e amor!
Alexsander Sena
Anúncios

Interesses corporativos X Interesses pessoais: Não adianta fugir e existe solução!

“Para nos sentirmos necessários e satisfeitos, necessitamos alcançar nossos objetivos e ter o respeito dos outros.”

(Abraham Maslow, 1943)

Se para se sentir necessário e satisfeito o ser humano necessita alcançar objetivos e ter o respeito dos outros; se o profissional é um ser humano e precisa cumprir objetivos e metas para ser reconhecido (ou para não passar por desconhecido); por que a maioria das organizações não conseguem efetividade em suas políticas de atingimento de metas?

As respostas obviamente são muitas e esse já foi o tema de inúmeras apresentações, trabalhos, dissertações, mestrados e doutorados. Mas o nosso papel é olhar com olhos de quem tem compromisso com o conhecimento, com a competência e, em primeiro lugar, com o ser humano. Por isso, vamos começar refrescando a memória, lembrando que já não é nova a discussão sobre a aplicabilidade de modelos de gestão com foco na melhoria do ambiente de trabalho e no comportamento humano. Maslow já dizia, em 1950, que “pessoas não são uma coleção de sintomas, mas acima de tudo, são pessoas”.

Comportamento humano. Isso lembra o corolário de Peter Drucker: “As pessoas são contratadas pelo seu currículo (conhecimento formal, habilidades técnicas e experiências passadas), mas são demitidas pelos seus comportamentos”. Essa é uma constatação que se repete nas pesquisas, mas de fundo behaviorista, portanto, um legado da psicologia nas teorias gerais de administração. Por enquanto, vamos elaborar levantando-se a hipótese de que o comportamento do profissional (do ser humano, certo?) pode na prática estar ligado ao não atingimento das metas das organizações, além de ser – talvez – o fator preponderante de muitos insucessos. Isso dá lastro para o investimento nas competências comportamentais dos talentos de uma organização. Ter essa segurança é o objetivo da ação planejada na gestão de pessoas, considerando a tecnologia que existe em cada colaborador, suas competências, motivações, desmotivações… comportamentos. Isso concilia a prioridade matemática com a humana.

A ação planejada da gestão de pessoas não é independente do que a organização almeja com a sua estratégia. Se a organização deseja dominar um mercado específico em determinado espaço de tempo e com elevados padrões éticos, ela deverá investir em talentos que tenham valores e motivações e condições de responder profissionalmente à altura daquilo que seu planejamento estratégico traçou como propriedades importantes para o sucesso do empreendimento. A capacidade de atingir os objetivos de uma organização passa pela capacidade profissional e, principalmente, comportamental de toda a sua equipe.

Como simples comentário em primeira pessoa, sempre reforço aos meus coachees, mentees, alunos ou colaboradores o conceito de que, assim como nas organizações, cada indivíduo deve ter a sua Missão. Qual é a missão de cada um – aquilo que o inspira a viver e lutar a boa luta de todos os dias, porque, por mais difícil e complexo que se pareça, é apenas algo que precisa ser superado para o cumprimento do seu papel em sua vida – e qual é (ou são) a visão de curto, médio ou longo prazos – aquela forma como cada um quer ser percebido como um agente construtor de um mundo melhor? Confesso que para conseguir isso – de cada membro da equipe ou de cada aluno – preciso aplicar ferramentas que tangibilizem ou, mesmo, materializem as respostas. Só assim conseguimos, juntos, vencer o bloqueio do ser humano em olhar para dentro de si e conhecer-se, se não totalmente, pelo menos um pouco mais. É incrível quando damos um pequeno passo nesse sentido; a impressão que se tem é a de que o mundo muda! Mas vamos evitar divagações e retornar o rumo do assunto.

Se é tão difícil que cada indivíduo (portanto, cada profissional) saiba o que quer, qual sua missão, qual sua visão e, especialmente, saiba relacionar quais são os seus valores, pergunta-se:

Como uma organização pode ter a “arrogância” de criar um programa de cunho humanista, que vise melhorar o ambiente de trabalho e gerir o comportamento de seus quadros; como pode ela investir em competências comportamentais e planejar uma gestão de pessoas, como se ela – a organização – conheça cada um mais do que cada um conhece a si mesmo?

A resposta não é única, pois cada caso é um caso e é por isso que um profissional especializado deve ser contratado. O especialista está preparado para não permitir “as amarras da arrogância” e entender e conciliar motivações cartesianas e materiais com as humanísticas e conscienciais, utilizando-se do elo behaviorista que une ambas as tendências:

  • Observar o contexto geral e particular de cada organização;
  • Entender suas estratégias e valores;
  • Levantar competências necessárias para o atingimento de metas e objetivos;
  • Levantar interesses, estratégias e valores individuais dos colaboradores;
  • Mapear o nível de alinhamento de competências, valores e interesses pessoais e organizacionais;
  • Propor políticas e criar programas que viabilizem a unidade comum, o foco na recompensa final que, assim, será o interesse de ambos.

Trabalhei em uma instituição que tinha um programa intitulado “O que fazer para termos nossos colaboradores mais felizes?”. Era muito bom, mas eu sempre me mantinha alerta para não perder de vista “o que os colaboradores devem fazer para deixar a organização mais feliz, em todos os níveis”.

A gestão de pessoas não trabalha só. Ela trabalha com a organização, em todos os níveis – estratégicos, táticos em seus processos gerenciais e operacionais em suas atribuições -, pois em todos os níveis estão pessoas. Behaviorismo? Psicologia humanista? Administração? Chame do que quiser, mas é gerindo pessoas adequadamente que as organizações mantêm a tecnologia dentro da organização e cumpre seu papel com a sociedade. A conciliação dependerá, também, de você ter o controle de como quer ser percebido, pois “você é a sua melhor marca”.

O gosto da vitória é podermos contar aos nossos netos que participamos desse grande projeto corporativo de fazer pessoas felizes, necessárias e satisfeitas em uma sociedade com alta qualidade de vida.